Nas tramas da compulsão: Reflexões sobre curta metragem “The Last Knit”

Antes de ler, assista ao curta-metragem:



Quantas vezes nos vemos “presos” ou condicionados a um comportamento, atitude, pensamento ou sentimento sem que consigamos abrir mão, mesmo que ele não nos traga sentido a existência ou nos proporcione recompensas positivas para a vida?


Pode ser um relacionamento amoroso que nos faz mal, mas que não conseguimos deixar. Um jogo de videogame que não conseguimos parar de jogar e perdemos a chance de realizar outras atividades produtivas. A busca incessante por prazeres e vícios para tentar completar um vazio dentro de nós. Enfim, qualquer atividade compulsiva das quais não temos controle, mas que não conseguimos interromper seu cursar em nossas vidas.


O curta metragem “The Last Knit” (“O último tricotar”) de Laura Neuvonem (Finlândia, 2005) retrata a complexa trama das compulsões!


Determinada a tricotar seus novelos de lã, a personagem se coloca na cena, sentada em uma cadeira diante de um abismo, com suas agulhas e novelos e então começa sua tarefa.



De imediato podemos analisar que se trata de uma atividade solitária e com poucos recursos a sua volta. A paisagem é inóspita, sem outros atrativos. Sua atenção, determinação e energia está totalmente voltada para a tarefa. Nada mais importa ou chama sua atenção, nem mesmo a possibilidade de perder a vida, caindo no abismo.


É exatamente assim que nos colocamos diante de uma atitude compulsiva. Nosso mundo se volta apenas para a necessidade interna relacionada ao impulso, em detrimento de qualquer outra necessidade, até mesmo as de sobrevivência.


Recentemente, temos vistos casos de jogadores compulsivos que deixam de comer, realizar seu autocuidado, manter relações sociais saudáveis para passar horas a fio em frente a tela do computador em jogos on-line. Este é um bom exemplo para retratar esse movimento.


E assim, segue a personagem, perdendo-se entre as meadas do seu novelo.


O impulso de executar o próximo ponto é maior que qualquer decisão racional a respeito de si mesma. Neste caso, a vontade consciente está subjugada pelo impulso inconsciente, cuja raízes e significado a personagem desconhece.


De maneira semelhante, algumas mulheres compram compulsivamente roupas, sapatos e objetos de qualquer natureza, sem entender porque o fazem e depois se veem arrependidas diante da energia gasta desproporcionalmente quando se defrontam com a realidade da continuidade de seu vazio existencial. Aquilo que compram não as preenche!