25 filmes que retratam vivências de luto

Não vivemos o luto apenas quando perdemos alguém pela morte. Vivemos um luto cada vez que perdemos algo ou alguém que para nós era importante e com o qual possuíamos um vínculo ou ligação emocional.


Podemos vivenciar um luto ao perdermos um emprego, ao mudarmos de cidade, ao descobrirmos uma doença, ao fazermos a passagem de uma fase da vida para outra, ao sentirmos que nós já não somos como éramos antes...


A lista escolhida reflete o luto em suas diversas formas. Que ela possa servir de fonte para reflexão e ampliação sobre como lidamos com as perdas e ganhos que são partes essenciais da vida.


Pois como diz Schüler: “Quando morremos? Na verdade, morremos todos os dias. Morte são também nossas decepções, nossos projetos falidos, nossas ideias abortadas. Morte é tudo que nega a vida. A morte definitiva, a que encerra todos os atos, a que nos apresenta a vida concluída, dessa não podemos tratar porque ela nos excede. Restam-nos os insucessos que a anunciam, neles acenam os signos do que não nos é dado alcançar”.


Segue a lista:


1. PS eu te amo


Holly Kennedy (Hilary Swank) é casada com Gerry (Gerard Butler), um engraçado irlandês por quem é completamente apaixonada. Quando Gerry morre, a vida de Holly também acaba. Em profunda depressão, ela descobre com surpresa que o marido deixou diversas cartas que buscam guiá-la no caminho da recuperação.


2. A Balada de Narayama

Uma pequena cidade japonesa segue uma tradição: aquele que completa setenta anos deve deixar a vila e ir até o topo de uma montanha para encontrar a morte. Quem se recusa a cumprir a regra traz desgraça para sua família. Orin (Sumiko Sakamoto) tem sessenta e nove anos e no inverno chegará sua vez de subir o monte. Mas sua maior preocupação no momento é encontrar uma esposa para seu filho mais velho Tatsuhei (Ken Ogata).


3. A culpa é das estrelas


Diagnosticada com câncer, a adolescente Hazel Grace Lancaster (Shailene Woodley) se mantém viva graças a uma droga experimental. Após passar anos lutando com a doença, ela é forçada pelos pais a participar de um grupo de apoio cristão. Lá, conhece Augustus Waters (Ansel Elgort), um rapaz que também sofre com câncer. Os dois possuem visões muito diferentes de suas doenças: Hazel preocupa-